Álbum "Led Zeppelin IV" e os "Quatro Símbolos" completam 50 anos
16/11/2021 01:24 em Let's Rock

O quarto álbum de estúdio do Led Zeppelin, mais conhecido como Led Zeppelin IV, chegou há 50 anos, no dia 8 de novembro de 2021.

 

O Led Zeppelin IV continua sendo um dos álbuns mais criativamente influentes e comercialmente bem-sucedidos na história da música. Como uma assinatura artística, o disco atingiu um acorde que continua a ressoar globalmente entre os fãs de música a inspirar gerações de músicos.

 

Comercialmente, o Led Zeppelin IV é um rolo compressor, vendendo mais de 37 milhões de cópias em todo o mundo. Nos EUA, o álbum foi recentemente certificado como platina 24x pela RIAA, classificado como o quinto álbum mais vendido de todos os tempos, bem como o álbum mais vendido de um artista britânico (empatado com The Beatles, também conhecido como The White Album). Fora dos EUA, o álbum é certificado como diamante no Canadá (2 vezes); multi-platina na Austrália (9 vezes), no Reino Unido (6 vezes) e na França (2 vezes); platina na Argentina, Brasil, Itália, Noruega, Polônia e Espanha; e ouro na Alemanha (3x).

 

O Led Zeppelin IV também liderou as paradas de álbuns no Reino Unido, Canadá e Holanda, e alcançou a posição # 2 na Austrália, Dinamarca, França, Suécia, bem como nos EUA, onde continua sendo o álbum mais vendido do catálogo da banda.

 

Antes do sucesso de 1971, a banda passou o outono e o inverno de 1970 escrevendo e gravando o Led Zeppelin IV, com as primeiras sessões de gravação começando em Londres no Island Studios em dezembro de 1970. Um mês depois, a banda mudou-se para Headley Grange, uma casa de campo em Hampshire, Inglaterra. Eles converteram a casa em um estúdio de gravação e usaram o Rolling Stones Mobile Studio para gravar a maioria das faixas básicas do álbum com o engenheiro Andy Johns, que também projetou algumas músicas dos álbuns Led Zeppelin II e III.

 

Jimmy Page, que também produziu o álbum, diz: “Após a breve estada que Robert e eu tivemos na casa de Bron-Yr-Aur [enquanto trabalhávamos no Led Zeppelin III], pude ver uma situação em que todos nós residíamos em Headley Grange e tínhamos um caminhão de gravação. Eu estava interessado em toda essa ideia de usar a granja como um local de trabalho para pudéssemos nos concentrar totalmente no esforço de fazer a música, enquanto morávamos lá”.

 

“Foi tudo um pouco experimental”, diz John Paul Jones. “Mas foi a primeira vez que realmente ficamos juntos. Antes estávamos gravando em estúdios … e sempre foi hotel, estúdio, hotel, estúdio. Nunca tínhamos estado em um lugar com instalações de gravação. Essa foi realmente uma nova maneira de trabalhar para nós, e acho que foi uma maneira muito boa. Só tínhamos um grande cômodo antigo com uma grande lareira com todo o equipamento instalado. E você poderia simplesmente descer e começar as coisas se ninguém estivesse lá, ou se outra pessoa aparecesse, haveria um pouco de congestionamento. Havia música sendo feita de alguma forma o tempo todo, o que, como você pode ver pelo resultado, funcionou muito bem. ”

 

Essa abordagem não convencional (para a época) deu ao grupo mais liberdade para capturar performances espontâneas e momentos de inspiração. Sobre a letra de “Stairway To Heaven”, Robert Plant lembra:

 

“Eu estava sentado ao lado de Jimmy em frente ao fogo em Headley Grange. Ele escreveu essa sequência de acordes e estava tocando para mim. Eu estava segurando um lápis e papel e de repente minha mão começou a escrever as palavras ‘Há uma senhora que tem certeza de que tudo que reluz é ouro …’ Eu sentei lá, olhei para essas palavras e quase pulei da cadeira. Relembrando agora, acho que me sentei no momento certo”.

 

A banda também encontrou maneiras de usar a acústica de Headley Grange a seu favor. O baterista John Bonham foi gravado tocando “When The Levee Breaks” no hall de entrada principal da casa usando microfones pendurados em um lance de escadas. Hoje, é um dos sons de bateria mais famosos do mundo, e foi utilizado inúmeras vezes por artistas de vários gêneros, incluindo Beyoncé, Beastie Boys, Massive Attack, J. Cole, Björk e Eminem.

 

Quando as faixas básicas do álbum foram concluídas, a banda voltou a Londres para gravar “Stairway To Heaven” e adicionou overdubs ao material de Headley no Island Studios. Logo depois, Page viajou para Los Angeles para trabalhar na mixagem inicial do álbum nos estúdios Sunset Sound antes de retornar aos Island Studios para mixagem adicional. A mixagem final foi então adiada até julho para acomodar à turnês de primavera e verão da banda.

 

Uma das partes mais memoráveis da capa do álbum foram os quatro símbolos usados na capa interna e na etiqueta para representar os quatro membros da banda.

 

“Havia um pequeno livro muito bom de sinais e símbolos”, diz John Paul Jones. “Então, decidimos escolher nossos símbolos neste livro apropriados para cada membro. Então, Bonzo [John Bonham] e eu escolhemos símbolos que eram meio opostos um ao outro graficamente, o que era bem estranho. E então, é claro, Robert e Jimmy criaram os seus próprios. Todos eles tinham seus próprios significados pessoais”.

 

Inclusive até hoje o álbum é chamado de diversas maneiras, além de Led IV, como “As Runas”, “Os quatro símbolos” e “ZoSo”. A razão desses nomes se deve aos quatro símbolos que aparecem na parte interior. Todos queriam saber o que significava, como se pronunciava e de que língua era a origem. Se perguntavam se era árabe arcaico ou algo assim…

 

De acordo com Robert Plant, cada músico escolheu seu próprio símbolo. “Cada um escolheu um símbolo metafísico que de alguma forma os representasse. Que retratasse um estado mental, uma opinião, algo particular…”

 

Mas de onde saíram essas imagens? As origens das de John Bonham e de John Paul Jones são bastante concretas, como já contou o baixista: “Jimmy Page me mostrou um livro que ele tinha, “The book of signs” de Rudolph Koch, e me disse para escolher um, algo que me representasse. Escolhemos os nossos, e mais tarde descobrimos que Jimmy e Robert tinham desenhado eles mesmo seus próprios símbolos. Típico.”

 

John Paul Jones

 

O símbolo de John Paul Jones é formado por um círculo entrelaçado a três formas ovais, o que representa confiança e competência. Essa é a descrição existente no livro “The Book of Signs”: “Este signo é usado para exorcizar os espíritos malignos.” Page confirmou o significado ao dizer que este símbolo representa uma pessoa segura de si mesma.

 

John Bonham

 

De acordo com o livro de Koch, o símbolo de John Bonham, os três círculos entrelaçados, é uma representação da Santíssima Trindade. Estes três circulo representam a trilogia homem, mulher e filho, a união entre pai, mãe e filho. Outras explicações mais divertidas dizem que o motivo da escolha de Bonzo é que o esse símbolo lembra o logotipo de sua cerveja preferida, a norte-americana “Ballantine”, ou as marcas de um copo de whisky na mesa do bar.

 

Robert Plant

 

O símbolo de Plant é uma pena que, entre as muitas teorias, representa a deusa egípcia Ma’at, que significa verdade, justiça e lealdade. Segundo a mitologia egípcia, Anubis, deus do julgamento e da morte, pega os corações de quem morre e coloca em uma balança, com a pena de Ma’at, se o coração for mais pesado que a pena, a alma da pessoa vai para o inferno, caso contrário, a alma vai para os céus. Mas o próprio Plant já deu a ele outro significado:

“Meu símbolo tem origem na antiga civilização Mu, que existiu há uns 15 mil anos, como parte de um continente perdido em algum lugar do oceano Pacífico, entre China e México. Muitas coisas podem ser atribuídas à civilização Mu, inclusive as estatuas da Ilha de Páscoa. A pena é um símbolo em que estão baseadas muitas filosofias, por exemplo, ela carrega os valores de muitas tribos indígenas americanas. Gosto de gente verdadeira, que diz a verdade e é sobre isso que se trata a pena dentro do círculo”.

 

Jimmy Page

 

O símbolo mais enigmático e que mais levantou teorias é o que representa Jimmy Page. Poderíamos passar horas falando e escrevendo sobre o símbolo “ZoSo”.

Já foi dito que é um símbolo relacionado à alquimia, com uma sociedade secreta chamada Dragão Vermelho e com o ocultista Aleister Crowley e o “666”. Há também a possibilidade de ser a representação do martelo de Thor e os raios de Júpiter. Mas também há quem diga que a primeira aparição desse símbolo tenha ocorrido na peça “Ars Magica Arteficci” do alquimista Gerolamo Cardano, em 1557, e que representa Saturno, o que faz algum sentido, já que o signo do zodíaco de Page é Capricórnio, que é regido pelo planeta Saturno. Mas, como já dissemos, estas são apenas algumas hipóteses, já que Jimmy Page nunca revelou esse mistério.

 

 

 

 

 

Notoriamente, o álbum sem título foi lançado sem texto na capa ou contracapa, incluindo o nome da banda ou o título do álbum – uma ideia radical na época.

 

 

“Depois do lançamento e sucesso do terceiro álbum, ainda recebíamos críticas negativas sobre os álbuns e shows em certas revistas especializadas na América”, lembra Page. “E mesmo depois do terceiro álbum, dizia-se que éramos ‘um exagero’. Parecia ser uma proposta interessante lançar um álbum sem nenhuma informação sobre ele… e ver como ele venderia”.

 

“A capa significa tudo o que as pessoas querem ler nela”, disse John Bonham sobre o lançamento do álbum. “Para mim, significa: ‘Prefiro morar em uma casa velha que em um prédio de apartamentos’. Minha opinião pessoal é que o álbum é a melhor coisa que já fizemos. Eu o amo. É o quarto álbum e é a próxima fase em que estávamos no momento da gravação. Todos os álbuns têm sido diferentes e, na minha opinião, este é o melhor e não é tentar ser cabeça-dura”.

COMENTÁRIOS